Artigos Blog de Saúde

Hemoglobina Glicada

Mês Fevereiro

Hemoglobina glicada (HbA1c)

A hemoglobina glicada (HbA1c) (também conhecida como hemoglobina glicosilada, glicada ou HbA1c) é um excelente indicador para o controlo da diabetes.

A HbA1c resulta de uma reação não enzimática, lenta e irreversível (glicação), entre a glicose que circula no sangue e os grupos amina livres existentes na hemoglobina dos eritrócitos (glóbulos vermelhos). A glicação da hemoglobina varia em função da concentração da glicose a que os eritrócitos são expostos, integrada ao longo do tempo de vida destas células.

É por isso que a HbA1c é considerada um indicador de grande utilidade clínica, refletindo a glicemia média nas últimas 8 a 12 semanas.

Um indicador valioso no controlo da diabetes

Para um bom controlo das diabetes (tipo I e II), o baixo valor de HbA1c pode reduzir o risco de complicações desta patologia. Quer isto dizer que, uma redução de 1% na Hb1Ac pode representar uma redução de 25% no risco de complicações da diabetes.

Quando medir a HbA1c

Para quem tem diabetes, a avaliação da hemoglobina glicada é muito importante. Por isso, entre as análises de rotina será talvez a mais relevante. Isto porque proporciona uma visão global do controlo da diabetes, da necessidade de ajustes no tratamento, bem como do risco que tem de vir a sofrer complicações tardias da diabetes.

A determinação da HbA1c deve ser realizada, pelo menos, semestralmente em todas as pessoas com diabetes. Pode ser realizada, com maior frequência, com intervalo mínimo de 3 meses, em indivíduos com diabetes cujo tratamento mudou recentemente ou que não alcançaram os objetivos terapêuticos preconizados.

Valores de HbA1c

Os valores devem ser sempre analisados pelo médico que acompanha o utente.

Sendo os valores de referência os seguintes:

Embora a determinação da HbA1c possa ser considerada para diagnóstico da diabetes, quando ≥6,5%, deverá privilegiar-se, para o diagnóstico da diabetes, o valor tradicional da glicose, obtida no plasma venoso em jejum ou duas horas após a refeição.

A importância da Preparação Individualizada de Medicação (P.I.M)

Com o desenvolvimento de novos métodos de produção e descoberta de novas moléculas demonstra-se cada vez mais o desenvolvimento dos fármacos, desta forma é primordial maximizar os seus benefícios e minimizar os seus efeitos indesejáveis.

Os efeitos da idade

Este desenvolvimento tecnológico permitiu alargar a esperança média de vida de uma população: onde se vive mais e melhor. De facto, com o avançar da idade as pessoas encontram-se mais predispostas a maiores riscos de saúde, pelo que com alguma frequência, as pessoas com mais idade podem ter mais do que uma doença e com isso precisam de tomar mais medicamentos. Este aumento de toma de medicamentos, corresponde a uma maior probabilidade de aparecimento de interações e efeitos adversos, que podem e devem ser prevenidos por forma a assegurar a maior segurança na toma de medicação.

Para além do risco anteriormente citado, o próprio organismo com o avançar da idade vai se alterar, nomeadamente a sua capacidade de transformar e eliminar os medicamentos. Sendo que, alguns dos medicamentos têm efeito de atuação num idoso do que num adulto jovem. Com isto, torna-se necessário reforçar comportamentos que conduzam a uma utilização correta, segura e eficaz dos medicamentos.

Informar e ser informado

Conhecer os medicamentos que toma é o primeiro passo. Assim, será mais provável que os tome corretamente e que esteja em condições de prevenir e identificar eventuais efeitos adversos. Fale com o seu médico e com o seu farmacêutico, faça perguntas sobre os seus medicamentos, como:

  • Para que serve? Qual o seu efeito?
  • Como devo tomá-lo? E quando? Antes, depois ou no intervalo das refeições?
  • Por quanto tempo devo tomá-lo?
  • Que cuidados especiais devo ter? Posso beber álcool? E conduzir?
  • O que devo fazer caso ocorram efeitos adversos?

Se necessário, para conseguir compreender e acompanhar as explicações, peça ao profissional de saúde para falar mais lentamente, com uma linguagem mais simples ou, ainda, que escreva a informação num papel de forma legível e acessível.

Preparação Individualizada de Medicação

Cumprir o tratamento é essencial para que ele seja eficaz. Tome alguns cuidados:

  • Mantenha um registo atualizado de todos os medicamentos que toma, incluindo os não sujeitos a receita médica e os produtos de saúde;
  • Idealmente, tenha esse registo sempre consigo e leve-o sempre que for ao médico ou à farmácia;
  • Respeite as instruções do médico e do farmacêutico sobre a toma dos medicamentos: não salte doses, não mude o horário das tomas, não interrompa o tratamento e não misture medicamentos e álcool;
  • Organize os seus medicamentos e ajude a sua memória, colocando lembretes pela casa – na porta do frigorífico, no espelho da casa de banho, na cabeceira da cama… o importante é que crie o seu próprio sistema;
  • Se vai de viagem, lembre-se de informar o seu médico ou farmacêutico. Há medicamentos que requerem cuidados adicionais, em função do destino ou meio de transporte.

Na Farmácia Várzea está disponível o serviço de preparação individualizada da medicação, que pode ser muito útil para eliminar a dificuldade de gestão de medicamentos para pessoas que tomam muitos medicamentos, como é o caso dos idosos.